Consultoria para Farmácias: Entidades fortes e lojas quebradas. Até quando?

Consultoria para Farmácias: Fortaleça sua Loja!

Há mais de três anos venho afirmando a necessidade de fortalecer as lojas pela via do conhecimento especializado de gestão. Assim a consultoria para farmácias tem o objetivo de fazer com que deixem de ser um alvo fixo, sejam capazes de agir e reagir, reduzam as ameaças e ampliem as suas possibilidades, se é que afinal podemos aprender com a inteligência específica dos cardumes. Aqui tenho que registrar algumas entidades que conheço de perto que não têm medido esforços para levar o conhecimento a cada loja. São empresas que fazem contas com os seus fornecedores, combinam um determinado valor de compra dentro de um determinado período e cumprem o compromisso com rigor e satisfação.

A cooperação e fidelização das lojas confere confiança para a diretoria que negocia. Assim os volumes são garantidos e eles continuarão comprando bem porque suas lojas capacitadas, comprometidas e bem administradas (o conhecimento está presente), não têm maiores dificuldades para vender bem. Vamos lembrar que para vender bem na farmácia moderna significa ser especialista não só no medicamento mas também na perfumaria, com as necessidades de layout, merchandising, planogramas, gestão de categorias, posicionamento de marketing, entre outros conceitos. No caso dos medicamentos, não se pode fazer o atendimento de qualquer jeito, sem método. É preciso treinamento para que o atendimento seja diferenciado, humanizado e rentável. Isso significa que sem a inteligência para vender bem não se sustenta a tese do comprar bem, a menos que se subestime a inteligência dos fornecedores. Daí a pergunta: até quando?

LOJAS QUEBRADAS. MAS ISSO NÃO É UM EXAGERO?

Não é exagero não! Muitas lojas estão quebradas e as entidades passivas, como se nada estivesse acontecendo. Por mais velho e deteriorado que possa ser, ninguém abandona um carro quando ele quebra ou fica atolado na areia. O normal é que haja alguma mobilização, uma força extra. Passada esta fase crítica, depois da ajuda, o proprietário pode estudar melhorias, até uma reforma quem sabe, mas a ajuda é muito bem vinda nos momentos críticos.

Muitas instituições estão por demais ocupadas com o processo de expansão e não possuem tempo e nem recursos para socorrer aos associados/franqueados com dificuldades para conseguir uma gestão mais qualificada, que contribua para que a farmácia consiga prosperar, prestando um serviço de melhor qualidade para a população. Trata-se de uma inversão de prioridade que tem prejudicado as lojas já arregimentadas que acabam buscando soluções em outras bandeiras, desistem do negócio ou simplesmente quebram. Para compensar o alto índice de lojas que saem por diversos motivos, acabam tornando ainda mais agressivo o processo de novas adesões, aumentam o efetivo da força de vendas, derrubam as taxas para tornar mais atrativo o processo de aquisição das novas lojas. Enquanto for esta a prioridade e alocação dos recursos, as lojas já arregimentadas continuarão a  clamar por atenção e socorro. Trata-se de um círculo vicioso, uma verdadeira armadilha que devia a atenção e os recursos para o salão sagrado das lojas- o GEMBA, Como diriam os japoneses.

Leia a série completa de consultoria para farmácias:

Este texto faz parte de uma série de artigos publicados na Revista ABC Farma, clique nos links abaixo e leia os demais textos na íntegra:

– A Inteligência dos cardumes
– Gemba: Obtendo o máximo de resultados com o mínimo de custos
– Gilson Coelho fala sobre Gestão do Conhecimento para farmácias

Deixe uma resposta