Perigo! Não confunda faturamento com resultado!!!

Não confundir faturamento com resultado significa se livrar de uma das mais perversas armadilhas a que pode se submeter um proprietário de farmácia no Brasil! Quando existe esta confusão os riscos são muito elevados e a farmácia pode quebrar, transformando o sonho do empreendedorismo em um pesadelo muito difícil e dispendioso.

1. O faturamento é uma armadilha sedutora e perigosa! Saiba como identificar!

Como toda boa armadilha, a sensação inicial é de vantagem, mais movimento na loja, aumento do volume das compras, todos os sintomas de que as coisas estão realmente finalmente evoluindo. Mas o que queremos enfatizar aqui é que a farmácia está em situação de perigo. Está sim confundindo faturamento com resultado na última linha, veja o que passa na cabeça da grande maioria dos proprietários/gestores quando observam somente o faturamento:

-Nós estamos no caminho certo.
-Concorrentes estão com as lojas mais vazias.
-A quantidade de clientes está melhorando a cada dia.
-O faturamento por dia, por mês, está nitidamente aumentando.
-Já temos até filas nos caixas.
-Vamos ter que contratar funcionários com urgência.
-Estamos vivendo o crescimento que todos sonham.
-Com certeza, nós descobrimos o “caminho das pedras”!

2. A característica mais marcante de uma armadilha é a surpresa!!!

E como toda boa armadilha, a fase inicial é de absoluto encantamento, sensação de que está tudo bem, parece até que a empresa ganha um certificado afirmando que está encerrada a época das vacas magras. O cérebro não percebe o auto engano.

Durante toda a minha vida como consultor especializado no varejo de farmácias, eu sempre afirmei que não se pode avaliar os avanços da empresa só por um único indicador, isoladamente. Neste caso o faturamento. Muito mais grave é ainda confundir faturamento com resultado, como vamos detalhar ao longo deste texto.

3. Quanto que este faturamento deixa de resultado para a empresa?

Gosto de afirmar que na farmácia a operação e os seus indicadores está toda integrada, e que analisar só o faturamento pode ser a mais perfeita de todas as armadilhas. Mas nem todos se dão conta desta verdade.

Além do aspecto quantitativo, costumamos enfatizar também a qualidade do faturamento. Se ele é feito com inteligência, se ele ocorreu por conta de uma estratégia muito bem planejada ou se inadvertidamente só foram aumentados os descontos concedidos aos clientes.

Quando você se afasta do conhecimento como forma de agregar valor aos clientes, e simplesmente vai baixando os preços, seu negócio não se diferencia de uma maneira saudável. Aos poucos ele vai se caracterizando como uma commodity.

As características mais marcantes de uma commodity são a ausência de diferenciação, operação desprovida de valor agregado, necessidade absurda de grandes volumes para poder ver a “cor do dinheiro”. Mas é exatamente isso que a grande maioria dos proprietários está fazendo enquanto percebem o aumento acelerado do faturamento. Eles não percebem o perigo e a gravidade de confundir faturamento com resultado.

Nos meus quase 30 anos de experiência no Varejo de Farma (Gilson Coelho) conheci uma farmácia que chegou a faturar R$ 2.500.000,00 por mês e acabou quebrando. Também conheci uma loja no Rio Grande do Sul que chegou a faturar dez milhões de reais por mês e teve o mesmo destino.

Quem confunde faturamento com resultado não percebe a grande armadilha a que está submetido e acaba quebrando, fechando definitivamente as suas portas. 

Mas não é uma quebra comum. Devido ao fato de o ponto de equilíbrio se deslocar para as alturas, a farmácia acaba quebrando com um Contas à Pagar extremamente elevado.
O acontecimento sempre vem carregado de muito sofrimento, muita frustração, dívidas que acabam comprometendo outras gerações.

Existem muitas empresas de consultoria no mercado que não compreendem as implicações desta verdadeira armadilha. Eles não costumam fazer uma análise sistêmica, se focam em um único indicador (faturamento) e terminam por impor um custo  muito elevado para seus clientes – os proprietários de farmácias.

Fazendo uma analogia com uma doença grave, por ignorância ou por conveniência tratam casos graves de UTI com protocolos superficiais de uma enfermaria comum.

Na nossa empresa de consultoria estamos acostumados a receber proprietários que tenham passado por estes problemas, tratamentos superficiais que não atuaram nas causas, na raiz do problema.

Com atenção, carinho e muita diligência, conseguimos entender, diagnosticar e iniciar um tratamento adequado que termina por tirar a empresa deste cenário crítico.

Durante o processo de consultoria com execução assistida acaba ocorrendo uma jornada de transformação que leva a empresa para um nível superior de desempenho, com novas perspectivas, mais engajamento e melhores resultados.

Converse conosco e conheça a seriedade com que procuramos entender para poder atender às suas necessidades!

Acesse www.gilsoncoelho.com.br

Vamos conversar sobre a sua farmácia?